ADPF lança campanha de valorização de policiais federais em parceria com Fenapef e APCF

Artigo: Valorização dos policiais federais: por que precisamos?
26 de Janeiro de 2022
No Congresso Nacional, presidente da ADPF discute abordagem de saúde mental no Estatuto das Vítimas
17 de Março de 2022
Exibir tudo

ADPF lança campanha de valorização de policiais federais em parceria com Fenapef e APCF

A Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF) se juntou à Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF) e Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) para lançar, nesta quarta-feira (16), uma campanha nacional pela valorização da Polícia Federal e dos policiais federais.

Com o slogan #ValorizaçãodaPFjá, as ações publicitárias serão inseridas em pontos específicos de capitais brasileiras, bem como em veículos de imprensa, com a mensagem que mostra os benefícios para o País de se investir na Polícia Federal, além dos riscos e as responsabilidades da categoria.

A campanha acontece em meio ao debate que ocorre em torno da reestruturação da PF e das demais carreiras ligadas ao Ministério da Justiça, entre outras medidas que a categoria entende necessárias para a valorização dos policiais federais.

O material da campanha será focado em dados que apontam a viabilidade do investimento na PF e busca expor as particularidades e peculiaridades decorrentes da atividade de risco dos policiais federais.

Para os representantes das entidades de classe, as ações exporão a realidade desses profissionais que trabalham longe dos holofotes da mídia e dos olhos da população, nos locais mais distantes do Brasil e com todo tipo de dificuldade logística, material e biopsicossocial, muitas vezes, em regime de sobreaviso mensal, com diárias insuficientes e, inclusive, com o sacrifício da própria vida.

Segundo o presidente da ADPF, Luciano Leiro, o objetivo é jogar luz ao fato de que a PF não é despesa, mas investimento. “Há muitos anos a PF se paga, uma vez que o valor despendido com o órgão é retornado ao erário, seja no ressarcimento de valores desviados, seja evitando a continuidade do prejuízo aos cofres públicos”, explica.